Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/11/18 às 12h04 - Atualizado em 20/11/18 às 13h53

SSP/DF entra na campanha mundial de combate à violência contra mulher

Ascom – SSP/DF

 

 

A campanha anual das Organização das Nações Unidas (ONU) de conscientização e de combate à violência contra a mulher terá um aliado na Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social (SSP/DF). Durante os 16 dias de ativismo será postada nas mídias oficiais e em redes sociais a campanha “Quebre o Ciclo”, para encorajar as mulheres do Distrito Federal a buscarem ajuda e denunciarem maus-tratos aos órgãos do Governo do Distrito Federal.

 

Iniciativa anual da Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), a campanha acontecerá entre os dias 20 de novembro e 10 de dezembro.

 

A SSP divulgará no período dez vídeos com entrevistas e 14 artes para chamar a atenção da sociedade brasiliense para a importância de tornar público casos de violência contra as mulheres. A rede de proteção e acolhimento dessas vítimas também serão divulgadas.

 

O lançamento oficial da campanha da ONU, no Brasil, ocorrerá, nesta terça-feira, 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. A coincidência de datas é uma forma de chamar a atenção para as violações impostas às mulheres negras, que são as que mais sofrem com todo o tipo de violência, seja ele de cunhos psicológico, físico, econômico ou sexual.

 

A ONU dá início à campanha mundial no dia 25, com o Orange Day, e segue até o dia dez de dezembro. No dia 6 de dezembro, os homens serão convocados a se envolver no combate à violência contra mulheres por meio da iniciativa He For She (Eles por Elas). No Brasil, a data também é chamada de Dia do Laço Branco.

 

A campanha será uma oportunidade ainda de mostrar o trabalho da Câmara Técnica de Homicídio e Feminicídio, da SSPDF, que foi criada para estudar e apresentar  políticas públicas de proteção ao público feminino.

 

“O grande objetivo da câmara técnica é entender porque o crime acontece, como acontece, em que circunstâncias, e o que leva o criminoso a praticá-lo. Com isso, poderemos traçar as melhores estratégias, tomar as medidas preventivas que evitem que ele volte a acontecer e, deste modo, salvar vidas”, explicou o secretário da Segurança Pública, Cristiano Sampaio.

 

Origem dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Desde a criação da campanha, em 25 de novembro de 1991, cerca de 160 países já aderiram à mobilização internacional. O Brasil integra essa rede de enfrentamento desde 2003.

O dia foi escolhido como homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa Mirabal, assassinadas em 1960 por se posicionarem contrárias ao regime do ditador da República Dominicana Rafael Trujillo.