Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/11/19 às 14h04 - Atualizado em 27/11/19 às 19h31

🇺🇸🇮🇱🇪🇸🇧🇷Seminário Internacional: sistema penitenciário é debatido no último dia do evento

COMPARTILHAR

Adriana Machado, da Ascom – SSP/DF

 

Como parte da programação do I Seminário Internacional – um Novo olhar sobre a Segurança Pública, os secretários de Administração Prisional do Estado do Ceará, Luís Mauro Albuquerque, e John Sullivan, do sistema penitenciário da Califórnia, ministraram palestras para os participantes.

 

As palestras ocorreram nesta quarta-feira (27), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. O objetivo do evento, realizado pela a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF), em parceria com Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), é disseminar experiências e contribuir para o debate sobre boas práticas voltadas para a redução da criminalidade e combate à violência contra a mulher.

 

O moderador do debate e subsecretário de Ensino e Valorização Profissional da SSP/DF, o delegado federal Alfredo Carrijo, falou da importância do debate sobre o tema. “Muitas facções criminosas foram criadas no ambiente carcerário. O debate é importante, pois essa sistemática de violência atinge a sociedade”.

 

Mauro é agente policial de custódia, que faz parte do quadro da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). Por conta do trabalho desenvolvido tanto no Distrito Federal como em outras Unidades da Federação, tem ministrado palestras e curso no Brasil e em outros países. Ele fundou a Diretoria Penitenciária de Operações Especiais (DPOE), que faz parte da Subsecretaria do Sistema Penitenciário (SESIPE), da SSP/DF.

 

Durante a palestra, abordou a importância da estrutura e organização nas unidades prisionais. Ao assumir a Secretaria de Administração Penitenciária do Ceará, aplicou a estratégia de fechar parte dessas unidades – que passaram de 136 para 102. Com a ação, cerca de cinco mil internos foram transferidos para presídios mais próximos da capital com mais estrutura e mais vigilância.

“Partimos para a identificação e enfrentamento dos problemas. O que fizemos para organizar foi cortar a rota de abastecimento dentro das unidades prisionais, ou seja, proibir a entrada de itens que poderiam ser vendidos ou alugados nestes locais”, disse Albuquerque.

 

As novas diretrizes logo impactaram nos números do sistema penitenciário do Ceará: no início de 2019, o total de itens proibidos apreendidos foi muito grande. Em janeiro, 2.745 celulares foram apreendidos. Em outubro foram 59 apreensões.

Houve também o investimento em recursos humanos. “Contratamos mais 632 agentes e estamos investindo em capacitação. Ano passado, 1.153 servidores passaram por algum tipo de capacitação. Neste ano, já diplomamos 3.201 de acordo com a doutrina, em que o agente controla a massa carcerária e não o contrário”.

 

Neste ano, já foram realizadas 24.782 escoltas judiciais, sem nenhum cancelamento. Ano passado foram 2.430. “O aumento das escoltas judiciais contribuem para redução da massa carcerária. Isso só foi possível dando equipamentos e estrutura para os agentes trabalharem”.

 

John Sullivan foi policial por 30 anos. Atualmente aposentado, o policial é especialista em operações de emergência, terrorismo e inteligência. Dentre outras atuações, é instrutor no Safe Communities Institute (SCI), na Escola Sol Price de Políticas Públicas, Universidade do Sul da Califórnia.

 

Ele apresentou a sistemática das gangues nos Estados Unidos, como em Nova York, Chicago e Los Angeles. Ele fez referência também às milícias no Brasil.

 

De acordo com Sullivan, o primeiro estudo sobre o tema foi realizado em Chicago. “A primeira vez que organizaram um estudo sociológico sobre gangues foi em Chicago, em 1927. Muito do que foi apresentado, após quase cem anos, permanece o mesmo”.

 

Para o secretário executivo de Segurança Pública, Alessandro Moretti, apesar de tratar de vários assuntos, a principal temática nos três dias do Seminário foi o combate à violência contra a mulher. “As palestras abordaram todas as áreas da Segurança Pública, mas a principal temática foi o combate à violência contra a mulher. O evento começou exatamente no dia de combate internacional à esta violência”.

 

O secretário de Segurança Pública, delegado Anderson Torres, ressalta a relevância do Seminário no contexto atual da Segurança Pública. “Temos orgulho de sermos os anfitriões deste Seminário que lança olhares tão importantes em nosso caminho como servidores da segurança. Foram dias de intercâmbios riquíssimos de experiências e novas abordagens sobre o segmento. O evento foi palco para que profissionais da mais alta relevância nacional e internacional contribuíssem com palestras que, com certeza, levaremos para nosso cotidiano profissional”.

 

 

Edição: Lanna Morais

Foto: Maurício Araújo