Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/07/20 às 19h31 - Atualizado em 31/07/20 às 19h40

🎥Live: Segurança Pública debate videomonitoramento no DF

COMPARTILHAR

Adriana Machado, da Ascom – SSP/DF

 

Nesta sexta-feira (31), a Secretaria de Seguran̤a P̼blica do Distrito Federal (SSP/DF) realizou um debate virtual sobre o aumento do n̼mero de c̢meras de videomonitoramento no Distrito Federal. Em dezenove meses Рde janeiro do ano passado at̩ julho de 2020 Рhouve um aumento de 47% do n̼mero de equipamentos instalados. Atualmente, vinte uma regi̵es administrativas contam com o monitoramento por meio de imagens. A transmisṣo foi realizada pelo perfil da pasta no Instagram.

 

O secretário -executivo de Segurança Pública, delegado Júlio Ferreira, falou da importância dos equipamentos nas ações das forças de segurança e projetos prioritários da pasta. “É muito importante o uso dessa ferramenta, que está à disposição das forças de segurança e demais órgãos, instituições e agências. O uso das imagens contribui para maior efetividade das ações, sejam elas preventivas ou repressivas”.

 

As próximas cidades a receberem a tecnologia, como afirma o secretário-executivo, será o Sudoeste, Brazlândia e Cruzeiro. Atualmente, Águas Claras, Areal, Ceilândia, Itapoã, Plano Piloto, Recanto das Emas, Riacho Fundo I e II, Samambaia, Taguatinga, Santa Maria, Park Way, Planaltina, Sobradinho I e II, Gama, Núcleo Bandeirante Candangolândia, Estrutural e Setor de Cargas (SCIA) e São Sebastião. Já estão sendo instaladas câmeras no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) e no Guará.

 

Os locais de instalação das câmeras são definidos a partir dos relatórios feitos pela Subsecretaria de Gestão da Informação (SGI), da SSP/DF, com informações da base de dados das forças de segurança. “Também são levados em consideração os relatórios confeccionados pelo setor de políticas públicas da SSP/DF, que mensalmente disponibilizam dados com as desordens públicas nas cidades. A partir de todos essas informações os locais são definidos de forma estratégica”, explicou Ferreira. O delegado disse ainda que o objetivo é, que até 2022, todo o território urbano do Distrito federal seja monitorado. “Este é um programa contínuo e prioridade para o secretário de Segurança Pública, delegado Anderson Torres”.

 

O comandante do 26º Batalhão, da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) – localizado em Santa Maria – Paulo da Silva, também participou da live. Em junho foi inaugurado o Centro de Monitoramento Remoto (CMR) na região. “Com as câmeras, conseguimos mudar a forma de realizar o policiamento. Ou seja, chegamos mais rápido para atender as ocorrências, diminuindo nosso tempo de resposta. Temos acesso às imagens e, muitas vezes, antes mesmo do acionamento por meio de nossa central pelo 190, já estamos em atendimento. Dois policiais, diuturnamente, monitoram as imagens”.

A população também tem se sentido mais segura. “Os moradores perceberam as câmeras como mais um meio de proteção, além das atividades do batalhão. Muitos nos procuram, pedindo que tenham mais câmeras na cidade. Explicamos que a definição dos locais ocorre por meio de estudos, mas que nada impede que futuramente possam ter mais equipamentos”, disse o major.

 

O Batalhão também recebeu dez novas motocicletas no último mês. “Com as motocicletas, podemos chegar aos locais de ocorrências ainda com mais rapidez”, contou o comandante.

 

Nesta semana, foi iniciada a instalação de câmeras no Guará. Para o delegado-adjunto da 4ª Delegacia de Polícia, responsável pela região, João de Ataliba, o uso da tecnologia irá contribuir de forma efetiva com as investigações. “O uso das imagens captadas pelas câmeras de segurança será primordial para encurtamento do tempo de investigação e penalização de culpados”.

 

O delegado falou ainda do trabalho realizado pelo laboratório do Instituto de identificação (II), da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio da prosoprografia. “Esta é uma técnica para comprovar a identidade por meio das imagens obtidas pelas câmeras. Verificamos que a imagem trata-se de um determinado suspeito, mas para que a prova não seja refutada, precisamos da comprovação por meio da perícia técnica”.

 

O conteúdo completo da live pode ser conferido neste link.

 

Edição: Nicole Vasconcelos

Foto: Agência Brasília