Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/03/20 às 12h55 - Atualizado em 30/03/20 às 14h23

🚨😷Segurança Pública altera rotina de transferência de presos para prevenir a COVID-19

Adriana Machado, da Ascom – SSP/DF

 

Desde que os primeiros casos de contaminação pelo coronavírus foram detectados no Distrito Federal, a Subsecretaria do Sistema Penitenciário (SESIPE), vinculada à Secretaria de Segurança Pública (SSP/DF), tem adotado uma série de medidas para minimizar os riscos nas unidades prisionais. A transferência de presos para o sistema penitenciário, que ocorre semanalmente, também passou por adaptações por conta deste período. Aqueles que apresentam sintomas de gripe são transportados com máscaras e todos passam por período de quarentena antes de serem colocados em alas comuns.

 

De acordo com o secretário de Segurança Pública, o delegado Anderson Torres, todas as medidas para resguardar agentes e evitar que o vírus chegue ao ambiente carcerário estão sendo tomadas. “Estamos em contato diário com a juíza da Vara de Execução Penal, Leila Cury, e com demais órgãos de justiça, para que todas as ações sejam pactuadas para resguardar os agentes e exercer o dever do Estado de garantir o bem estar dos sentenciados”.

 

Semanalmente, pessoas presas no Distrito Federal – homens e mulheres – são encaminhadas para o Centro de Detenção Provisória (CDP) ou Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF). Antes disso, elas ficam alojadas na Divisão de Controle e Custódia de Presos (DCCP), localizada na sede da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), no Parque da Cidade.

 

As transferências, que ocorriam duas vezes por semana, estão sendo realizadas uma única vez.

Nas unidades prisionais, todos passam por uma triagem, que inclui vacinação e avaliação, realizada por equipe de saúde.

 

“Ao chegarem, todos passam por uma triagem realizada por equipe composta por médicos, enfermeiros e outros profissionais da área. Essa medida também foi intensificada para identificação de possíveis casos da doença. Não há como termos o controle de onde essas pessoas estavam antes de serem presas. As medidas são importantes e fazem parte do protocolo orientado pela Secretaria de Saúde”, explicou o subsecretário do Sistema Penitenciário, o delegado Adval Cardoso.

 

Foi implementada a quarentena aos presos recém-chegados ao CDP e à PFDF. Eles somente serão encaminhados para a convivência comum com outros presos após o período de quatorze dias.

 

Caso o interno apresente sintomas da doença, a equipe médica fará a avaliação para verificar se haverá necessidade de encaminhamento para o hospital ou isolamento em uma cela em separado.

 

Também foi montado um consultório específico para tratar pacientes com sintomas da doença, no CDP. A mesma atenção está sendo dada pelas equipes de saúde das demais unidades prisionais.

 

Todos os presídios, exceto o CDP que já possui local específico para o público, destinaram alas específicas para idosos, considerados pelos órgãos oficiais de saúde como mais vulneráveis.

 

Na última semana, a VEP suspendeu saídas temporárias e trabalho externo. “Esta é uma forma do preso permanecer no mesmo ambiente, não resguardando orientações de órgãos de saúde que pedem o isolamento social afim de evitar o contágio”, finalizou o subsecretário.

 

A higienização de celas e viaturas foi reforçada. Além da utilização de uma tonelada de sabão em pó recebido pelo GDF como doação Sindicato do Comércio Atacadista do DF (Sindiatacadista-DF), a limpeza incluirá o Hipoclorito de Sódio, componente da água sanitária.

 

O Sistema Penitenciário também recebeu nesta semana 4 mil litros de água sanitária da Câmara de Diretores Lojistas do Distrito Federal (CDL – DF) e, na quinta-feira (26), o Sindicato dos Policiais Penais do Distrito Federal (Sindpen-DF) doou 3 mil litros de álcool 70% para auxiliar na limpeza.

 

As audiências judiciais estão suspensas até o próximo dia 30 de março pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). Serão realizadas somente aquelas com extrema necessidade. Desta forma, as escoltas judiciais ficam suspensas. As hospitalares permanecem.

 

Cartilhas e material informativos foram distribuídos a servidores . As informações foram repassadas aos reeducandos. A SESIPE está seguindo orientações dos profissionais da Secretaria de Saúde, específicas para o ambiente carcerário, por meio de palestras e vídeos enviados por meio de WhatsApp.

 

Edição: Antonio Lorenzo

Foto: Maurício Araújo