Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/06/19 às 18h04 - Atualizado em 28/06/19 às 14h37

? Reeducandos recebem certificados por participação em programa de leitura

 

Adriana Machado, da Ascom – SSP/DF

 

Após o fim de mais um ciclo do programa de remição de pena pela leitura, o Ler Liberta, cerca de sessenta reeducandos que cumprem pena no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) foram homenageados por representantes das Secretarias de Educação (SEE) e Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF). Eles participaram do programa e fizeram o resumo crítico, necessário para validação da redução de quatro dias em suas penas junto à Vara de Execuções Penais (VEP). Oito deles receberam uma certificação simbólica por participarem há mais tempo do programa. A cerimônia ocorreu no Núcleo de Ensino da unidade prisional.

 

A iniciativa é uma forma de reconhecimento pelos trabalhos realizados e incentivo para os novos participantes, que também estiveram presentes. “Esta foi uma forma encontrada pela professora e coordenadora do projeto aqui no CPP, Alana Pirangi, de mostrar aos alunos a importância de dedicarem ao trabalho final e permanecerem no programa, ou seja, lerem outros livros”, disse o diretor do Centro Educacional 01, responsável pela educação nos presídios, Wagdo Martins.

 

Além do CPP, o programa é aplicado nos Centros de Detenção Provisória (CDP) e de Internamento e Reeducação (CIR), nas Penitenciárias do Distrito Federal I e II (PDF I e II) – todas situadas no Complexo da Papuda – e também na Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF).

 

Para o subsecretário do Sistema Penitenciário, o programa tem contribuído para o bom comportamento dos internos. “O programa é extremamente importante. É uma atividade que não é obrigatória, mas percebemos que o interesse dos internos é cada vez maior. Verificamos uma mudança comportamental bastante positiva dos participantes”.

 

O “Ler Liberta” completará um ano de implementação nas unidades prisionais do Distrito Federal em julho. Desde que passou a funcionar, nove ciclos – que inclui leitura e avaliação por meio de um resumo crítico – foram finalizados. O interno tem até um mês para fazer a leitura de um dos 34 títulos e quinze dias para realizar o resumo. “Após este período, os trabalhos são corrigidos por professores da Secretaria de Educação, que passaram por capacitação para este trabalho específico, atendendo a portaria que formaliza todo o projeto”, explicou a responsável pelo projeto da SEE, Lílian Sena.

 

Cerca de 600 custodiados são atendidos a cada ciclo. A remição da pena somente é garantida àqueles que conseguem nota final de 6.0, sendo que pode chegar à nota máxima 10,0. “Para o nome ser encaminhado à VEP é necessário que o interno conclua o processo com o mínimo de aproveitamento”, explicou Lílian.

As obras foram selecionadas por professores da SEE, da Universidade de Brasília (UnB) e também com base na bibliografia destaque de estados que já adotaram o projeto. A lista foi homologada pela VEP. Ao todo, 1.800 obras foram adquiridas, catalogadas e encaminhadas às unidades prisionais.

 

As obras são divididas em quatro níveis, de acordo com grau de escolaridade, da seguinte forma:

Nível 1 – alfabetizados com nível fundamental incompleto;

Nível 2 – Ensino fundamental completo;

Nível 3 – Ensino médio completo e incompleto;

Nível 4 – Nível superior completo e pós –graduação.

 

As obras mais elogiadas e procuradas pelos participantes do Ler Liberta são as seguintes:

1. As Cores da Escravidão – Ieda de Oliveira

2. O Cavaleiro Preso na Armadura – Robert Fisher

3. De Quanta Terra Precisa o Homem? – Liev Tolstói

4. A Revolução dos Bichos – George Orwell

5. Capitães da Areia – Jorge Amado

6. Crime e Castigo – Fiódor Dostoiévski

7. Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada – Carolina Maria de Jesus

8. As Horas Nuas – Lygia Fagundes Telles

9. Os Espiões – Luis Fernando Verissimo

10. A Caverna – José Saramago

 

Edição: Nicole Vasconcelos