Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/10/18 às 12h53 - Atualizado em 29/10/18 às 12h53

Policiais franceses oferecem curso de intervenção com reféns para forças do DF

COMPARTILHAR

Adriana

 

Vinte e um policiais civis, militares e policiais federais participam, entre os dias 18 e 29 de junho, do Curso sobre Técnicas em Intervenção no Âmbito de Missões em Local Fechado (CILF). A ideia é preparar os alunos para situações que envolvam reféns em residências, ônibus e metrô, ações terroristas e proteção de autoridades.

 

O treinamento é oferecido pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social (SSP/DF), em parceria com a Polícia Nacional Francesa. Nesta segunda-feira, as aulas ocorrem na sede do Batalhão de Operações Especiais (Bope), da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF).

 

Na primeira semana, os policiais terão aulas práticas de tipo de intervenção, formação de escudos de segurança para invadir locais fechados (arrombamentos), abordagem de suspeitos que mantém reféns em casas, intervenções junto a pessoas armadas e que estejam descontroladas e liberação de reféns em casos de terrorismo.

 

Ao longo da segunda semana, os participantes receberão orientações sobre libertação de reféns e treinarão na sede do Metrô/DF, simulando situações em que a ação policial seja necessária.

 

Os instrutores, que trabalham na unidade de elite da polícia francesa, apresentarão um estudo de caso do ataque terrorista no teatro Bataclan de Paris, onde terroristas fuzilaram várias pessoas e fizeram reféns em novembro de 2015. Eles tiveram papel fundamental na época do incidente.

 

Para a coordenadora de ensino da Subsecretaria de Ensino e Valorização Profissional da SSP/DF, major Renata Braz, a troca de experiências fortalece o diálogo entre os países. “Iniciamos a parceria em 2017, por meio de reuniões entre os adidos militares das embaixadas e a SSP/DF. Firmamos, naquele primeiro momento, uma parceria para oferecer um outro curso. A experiência deu certo e vamos repetir”, explicou a major.

 

Os participantes foram indicados pelas unidades policiais das quais eles fazem parte. São 13 policiais militares do DF, dois policiais federais, cinco policiais civis do DF e um policial militar do Mato Grosso do Sul. Todos possuem experiência na área de intervenção.

 

 

 

 

Leia também...