Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/05/19 às 19h30 - Atualizado em 3/05/19 às 19h35

PCDF deflagra Operação Cartão Azul

COMPARTILHAR

 

Na tarde dessa quinta-feira (2), policiais da Coordenação de Repressão a Crimes contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes – CORF, durante operação batizada de Cartão Azul, realizou a prisão de uma mulher, de 32 anos, e de um homem, de 45, proprietário de uma papelaria em Santa Maria. A ação visou coibir o uso fraudulento dos Cartões de Material Escolar – CME, que foi lançado pelo governo local.

 

No primeiro dia do programa, os dois envolvidos foram flagrados no respectivo estabelecimento comercial credenciado, no momento em que a beneficiária G.N.C., utilizando R$ 640 do cartão para comprar produtos diversos de sua finalidade, ou seja, para a aquisição de dois cestos para colocação de roupas sujas e, ainda, ficar com R$ 200, em dinheiro.

A mulher e os funcionários da papelaria alegaram que o excedente do valor das cestas — que havia sido debitado — seria posteriormente utilizado em outra loja da rede.

 

Tanto a beneficiária como o proprietário do estabelecimento comercial foram autuados em flagrante pelo crime de peculato, cuja pena de reclusão é de dois a 12 anos.

Os presos irão responder pelo crime de peculato por conta do desvio de dinheiro público. Segundo a coordenação, 19 milhões foram investidos no programa para atender 64 mil alunos da rede pública do DF e pelo menos 278 papelarias já estão cadastradas para atender os beneficiários, destacou o delegado e coordenador da Corf, Wisllei.

 

“As pessoas que utilizarem esses cartões indevidamente ou mesmo terceiros, serão punidos em conformidade com a Lei. Todos os estabelecimentos comerciais serão fiscalizados periodicamente pelos órgãos competentes e, em caso de fraude, serão imediatamente descredenciados”, destacou o delegado. A PCDF continua apurando várias denúncias de desvio dos recursos públicos do CME para compra de produtos diversos e a venda de créditos a terceiros.

 

Após as formalidades legais, o autor — que já possui antecedentes criminais por receptação e estelionato — e a autora foram recolhidos ao sistema prisional do DF.

 

 

Divisão de Comunicação/DGPC