Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/07/18 às 18h15 - Atualizado em 29/10/18 às 12h53

Inaugurada nova entrada para visitantes na Penitenciária Feminina

COMPARTILHAR

Adriana Machado

 

O atendimento a parentes e amigos das internas da Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF) passou a ser mais rápido e humanizado, a partir desta quarta-feira (7). Foi inaugurada uma nova entrada para abrigar os visitantes das 700 internas que cumprem pena na unidade prisional.

 

O espaço, de 700m², possui área reservada para recepção do público e para o aparelho de Raio-X e scanners de sacolas. Além das baias individuais para revistas, separadas por sexo, foram construídos seis banheiros – sendo três femininos, dois masculinos e um reservado para pessoas com deficiência. Antes da obra, eram apenas dois para todo o público, que chega a 500 pessoas às quintas-feiras, quando ocorrem as visitas.

 

O projeto da obra ficou por conta do escritório de projetos do Núcleo de Engenharia e Arquitetura do UniCeub, que já fizeram outros projetos para a PFDF.

 

Na cerimônia de inauguração, o secretário da Segurança Pública e da Paz Social, Cristiano Sampaio, destacou que a reforma dará mais conforto não apenas para os visitantes, mas também para os servidores da Penitenciária. “O que se espera é que as pessoas possam entrar com mais facilidade e que o controle de acesso seja mais eficiente. O novo espaço também será melhor para os servidores que trabalham no local”.

 

A obra custou R$ 130 mil. Além do valor pago com recursos da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social (SSP/DF), parte do material foi doado por outros órgãos do Governo de Brasília, como a Agência de Fiscalização (Agefis) e a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF).

 

De acordo com a diretora da unidade prisional, Deuselita Marins, a construção atenderá o mesmo número de visitantes, mas em um espaço maior. “A partir de agora, ninguém vai mais ter que aguardar na chuva ou debaixo do sol, pois o espaço será suficiente”, comparou a diretora.

 

Também articiparam da cerimônia o subsecretário do Sistema Penitenciário, Celso Wagner, a juíza titular da Vara de Execução Penal (VEP), Leila Cury e a diretora executiva da Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap), Dilma Imai.

 

Oficina

Após a inauguração do espaço, foi apresentado o galpão para oficinas de costura industrial, serigrafia e chinelos. O local, em funcionamento desde abril, comporta 50 mulheres diariamente. De acordo com Deuselita, assim que mais máquinas forem instaladas, a oferta de vagas será maior. “A oficina permitirá que as internas possam trabalhar, cumprir suas penas e ser reinseridas no mercado de trabalho de forma mais eficiente, com uma profissão”, finalizou o secretário.

 

Mãos Dadas

Trinta sentenciados, em regime semiaberto e inscritos no Mãos Dadas – programa da Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe) para remissão de pena pelo trabalho – foram os responsáveis pela obra.

 

Para o subsecretário da Sesipe, Celso Wagner, o projeto é uma forma de ressocialização da custodiada. “Todos ganham com o Programa. É bom para o sistema penitenciário, pois o preso não fica ocioso e isso reflete no processo de ressocialização. Ele acaba aprendendo uma nova profissão, o que facilita o ingresso no mercado de trabalho depois que ele cumprir a pena”, explicou.

 

Edição: Shismênia Oliveira