Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/02/19 às 11h37 - Atualizado em 13/02/19 às 11h05

Gestão compartilhada marca o início das aulas

 

Joaquim São Pedro, da Ascom SSP/DF

 

 

Na abertura do ano letivo, a novidade foi o início do projeto de educação compartilhada, entre a Secretaria de Segurança (SSP/DF) e a Secretaria de Educação (SEE), que está sendo implantando a partir deste ano nas escolas públicas do Distrito Federal. Inicialmente, quatro Centros Educacionais adotaram a nova política do governo Ibaneis Rocha – o Centro Educacional 01, da Estrutural; 03 de Sobradinho; 07 de Ceilândia, e o 308 de Recanto das Emas.

Centro Educacional Nº 1, da Estrutural.

 

Segundo o vice-governador Paco Brito, até o fim do ano, cerca de quarenta escolas adotarão o novo sistema educacional. “O modelo está sendo adotado para promover aumentar a qualidade e a excelência do ensino no Distrito Federal”.

 

Pela proposta, a gestão pedagógica ficará a cargo da Secretaria de Educação e a parte disciplinar e de infraestrutura, por conta da SSP/DF. Vinte policiais militares e cinco bombeiros trabalharão nas escolas.

 

Presente à solenidade de abertura do ano letivo, que aconteceu, na manhã desta segunda-feira (11), no CE Nº1, da Estrutural, o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, falou da honra da pasta de participar do projeto, que certamente terá reflexos bastante positivos na vida das crianças, das famílias e da população da Região Administrativa. 

 

“É um projeto que é prioridade para o governo Ibaneis Rocha, porque vai ajudar a construir uma sociedade melhor em pouco tempo. Vamos cuidar com muito carinho das nossas escolas. E pelo que eu tenho vivido por aí, com pais e mães me perguntando quando é que o modelo de escola compartilhada chegará à escola dos seus filhos, eu tenho certeza de que será uma experiência bastante exitosa. Levaremos a escola compartilhada aonde for preciso”, disse Torres.

 

O secretário de Educação do DF, Rafael Parente disse que, de acordo com pesquisas, o professor brasileiro é recordista em tempo de não aprendizagem na sala de aula por ter que lidar com questões de indisciplina, chamar atenção dos alunos e organizar a sala. “A partir da adesão do modelo militar nas escolas, os professores terão mais tempo para se dedicar a aprendizagem”, afirmou.

 

Emocionado, o chefe da Casa Militar, coronel Júlio Cesar, falou da importância do projeto. “Realiza-se um sonho vivido por um grupo de oficiais dois anos atrás, de levar ensino de qualidade e com disciplina para as escolas e, assim, poder contribuir de forma positiva com os alunos, dentro e fora do ambiente escolar”, disse.

 

Estiveram presentes à solenidade, secretários, representantes das forças de segurança do Distrito Federal, entre outras autoridades. Segundo o coronel Alexandre Ferro, um dos responsáveis pela execução do projeto, há no Brasil 160 escolas de educação compartilhada, espalhadas por Goiás, Amazonas, Tocantins, Rio Grande do Norte, entre outras unidades.