Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/02/19 às 11h37 - Atualizado em 13/02/19 às 11h05

Gestão compartilhada marca o início das aulas

COMPARTILHAR

 

Joaquim São Pedro, da Ascom SSP/DF

 

 

Na abertura do ano letivo, a novidade foi o início do projeto de educação compartilhada, entre a Secretaria de Segurança (SSP/DF) e a Secretaria de Educação (SEE), que está sendo implantando a partir deste ano nas escolas públicas do Distrito Federal. Inicialmente, quatro Centros Educacionais adotaram a nova política do governo Ibaneis Rocha – o Centro Educacional 01, da Estrutural; 03 de Sobradinho; 07 de Ceilândia, e o 308 de Recanto das Emas.

Centro Educacional Nº 1, da Estrutural.

 

Segundo o vice-governador Paco Brito, até o fim do ano, cerca de quarenta escolas adotarão o novo sistema educacional. “O modelo está sendo adotado para promover aumentar a qualidade e a excelência do ensino no Distrito Federal”.

 

Pela proposta, a gestão pedagógica ficará a cargo da Secretaria de Educação e a parte disciplinar e de infraestrutura, por conta da SSP/DF. Vinte policiais militares e cinco bombeiros trabalharão nas escolas.

 

Presente à solenidade de abertura do ano letivo, que aconteceu, na manhã desta segunda-feira (11), no CE Nº1, da Estrutural, o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, falou da honra da pasta de participar do projeto, que certamente terá reflexos bastante positivos na vida das crianças, das famílias e da população da Região Administrativa. 

 

“É um projeto que é prioridade para o governo Ibaneis Rocha, porque vai ajudar a construir uma sociedade melhor em pouco tempo. Vamos cuidar com muito carinho das nossas escolas. E pelo que eu tenho vivido por aí, com pais e mães me perguntando quando é que o modelo de escola compartilhada chegará à escola dos seus filhos, eu tenho certeza de que será uma experiência bastante exitosa. Levaremos a escola compartilhada aonde for preciso”, disse Torres.

 

O secretário de Educação do DF, Rafael Parente disse que, de acordo com pesquisas, o professor brasileiro é recordista em tempo de não aprendizagem na sala de aula por ter que lidar com questões de indisciplina, chamar atenção dos alunos e organizar a sala. “A partir da adesão do modelo militar nas escolas, os professores terão mais tempo para se dedicar a aprendizagem”, afirmou.

 

Emocionado, o chefe da Casa Militar, coronel Júlio Cesar, falou da importância do projeto. “Realiza-se um sonho vivido por um grupo de oficiais dois anos atrás, de levar ensino de qualidade e com disciplina para as escolas e, assim, poder contribuir de forma positiva com os alunos, dentro e fora do ambiente escolar”, disse.

 

Estiveram presentes à solenidade, secretários, representantes das forças de segurança do Distrito Federal, entre outras autoridades. Segundo o coronel Alexandre Ferro, um dos responsáveis pela execução do projeto, há no Brasil 160 escolas de educação compartilhada, espalhadas por Goiás, Amazonas, Tocantins, Rio Grande do Norte, entre outras unidades.

 

Leia também...