Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/12/13 às 18h42 - Atualizado em 29/10/18 às 12h39

“Ação pela vida” reduz crimes violentos no DF

Integração inédita entre as forças de Segurança da capital do país resulta em queda no número de homicídios, latrocínios e roubos com restrição de liberdade

BRASÍLIA (26/12/13) – A atuação articulada entre as forças de Segurança e a população, por meio do programa “Ação pela vida“, resultou na redução de crimes graves ao longo dos 11 primeiros meses de 2013 no Distrito Federal, conforme dados preliminares da Secretaria de Segurança Pública.

 

“Temos a convicção de que essa integração entre as forças de segurança pública e a população do Distrito Federal, através dos Conselhos de Segurança Comunitários (Consegs), tem sido muito importante. Isso faz com que atuemos com mais eficiência”, destacou o secretário de Segurança Pública, Sando Avelar.

 

O Secretário revela que as polícias Militar e Civil, o Corpo de Bombeiros Militar e o Departamento de Trânsito (Detran) trabalham a partir das demandas da população, ou seja, concentram esforços nos locais onde há maior registro de ocorrências. Com isso, não só a frequência de crimes graves mas também a de outros crimes foi reduzida, como as tentativas do homicídio.

 

Conforme relatório da Secretaria de Segurança Pública, de janeiro a novembro deste ano, foram registrados 608 homicídios e 1.018 tentativas de homicídio. No mesmo período do ano passado, o total de ocorrências registradas era de 723 homicídios e 1.131 tentativas de homicídios. Assim, verifica-se uma redução de 16% em relação às ocorrências de homicídios e de 10% nos casos de tentativas de homicídio.

 

Homicídio e tentativa de homicídio, enquadrados como crimes contra a pessoa, tiveram, portanto, uma redução de 12,4% no total, ao passarem de 1.854, em 2012, para 1.626 este ano.

 

Comportamento semelhante tiveram os casos de latrocínio (roubo seguido de morte): foram 21 casos contra 41 no período anterior, o que corresponde a uma redução de 48,8%. Com isso, o DF está entre as cinco unidades da Federação que menos registraram latrocínios no país em 2013.

 

As estatísticas revelam, ainda, uma redução de 26,4% no número de casos de roubo com restrição de liberdade, popularmente conhecido como sequestro-relâmpago. De janeiro a novembro foram registrados 489 contra 664 no ano passado.

 

Verifica-se, também, redução de 0,2% no número de ocorrências de estupro: 841 casos contra 843 no ano passado. No entanto, cabe ressaltar que 70% dos crimes registrados no DF ocorrem dentro da residência das vítimas ou do autor e envolvem adolescentes entre 12 e 17 anos. Além disso, mais da metade dos autores do crime eram os próprios pais, padrastos, tios ou vizinhos das vítimas.

 

Já o índice de roubo de veículo recuou em 3% no período analisado. Foram 3.674 registros neste ano contra 3.786 em 2012.


AUMENTO DA PRODUTIVIDADE – O Distrito Federal se consolida, também, como uma das unidades da Federação com os maiores índices em localização de veículos. Ao todo, foram localizados 6.087 carros roubados ou furtados, inclusive alguns recuperados em outros estados. Em 2012, esse número foi de 5.250 veículos recuperados.

 

A polícia também conseguiu detectar mais ocorrências de drogas. O acréscimo foi de 14,7% em relação ao ano passado, ao saltar de 1.756 registros para 2.014 neste ano.


META ALCANÇADA – “Brasília também conseguiu atingir, pela primeira vez na história, um número que a ONU aponta como ideal para países em desenvolvimento”, enfatizou Sandro Avelar, ao se referir à quantidade de mortes no trânsito, que hoje é de 2,7 ocorrências para cada 10 mil veículos em circulação.

 

De acordo com o secretário, a marca foi alcançada com a realização da operação “Funil”, que faz parte do “Ação pela Vida”. A iniciativa consiste na montagem, em diversos pontos do DF, de barreiras pelas forças de Segurança, auxiliadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

 

“Dessa forma, controlamos o trânsito e diminuímos os delitos, porque conseguimos inibir os criminosos”, afirmou o secretário de Segurança Pública.


INVESTIMENTOS – Para equipar as forças de Segurança, o GDF adquiriu 378 novos carros e um novo helicóptero para a Polícia Militar. Já a Polícia Civil passou a contar com mais 238 viaturas, além do novo Centro Tecnológico, dotado de equipamentos modernos para aumentar a eficiência nas investigações policiais.


Também foram adquiridos 55 caminhões de combate a incêndio para o Corpo de Bombeiros, sendo 25 para atuar na área florestal e 30 de última geração para área urbana. Também foram entregues oito escadas mecânicas, que têm a possibilidade de elevação total equivalente a um prédio de 18 andares, em menos de um minuto.

 

No Detran, os auditores fiscais de trânsito passaram a contar com mais sete viaturas e aumento do efetivo com a contratação de 214 servidores. Além disso, foram implantadas duas Unidades de Atendimento ao Público, uma no Recanto das Emas e outra no Shopping Popular de Brasília.

 

Segundo a autarquia, também foi executada a pintura de 109.427,87 m² de sinalização horizontal, instaladas mais de 4 mil novas placas em todas as cidades e distribuídos 200 kits de segurança aos motociclistas que trabalham no transporte de mercadorias.

 

O GDF também investiu na aquisição de 835 câmeras de videomonitoramento, que serão instaladas em todo o Distrito Federal. O objetivo é monitorar as áreas com índices críticos de violência por meio de um sistema inteligente de captação e análise de imagens.

 

Além disso, com o apoio do governo federal, está em curso a ampliação de 4,6 mil novas vagas no sistema prisional. Outra ação será a construção de um galpão na Penitenciária Feminina, onde funcionará um complexo de creches e atividades profissionalizantes.

(A.S/J.S*) 

infografico segurança