Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/09/19 às 18h09 - Atualizado em 26/09/19 às 18h43

?SSP/DF realiza capacitação em entrevista investigativa

COMPARTILHAR

Adriana Machado, da Ascom – SSP/DF

 

Voltado aos servidores da Segurança Púbica, o curso Fundamentos Metodológicos da Entrevista Investigativa ocorreu nesta quinta-feira (26), no auditório do Departamento de Trânsito (Detran/DF). O evento, organizado pela Subsecretaria de Ensino e Valorização Profissional (Sevap), da secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) reuniu 150 profissionais das polícias Civil e Militar, Bombeiros, agentes de trânsitos e servidores da SSP/DF.

 

O objetivo foi contribuir para que os investigadores possam obter o relato mais completo na inquirição de vítimas, testemunhas, colaboradores e informantes.

 

Para o coordenador de ensino da Sevap, tenente-coronel André Telles, a capacitação é direcionada principalmente aos servidores que lidam com rotinas apuratórias. “Todos podiam se inscrever, mas o curso é voltado principalmente para aqueles que trabalham na área de inteligência, inquéritos, corregedoria e procedimentos administrativos”, disse.

 

Palestra

A capacitação foi ministrada pelo professor Maurício Viegas, servidor do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Máster Internacional em Operações de Inteligência e Contrainteligência pela UDIMA (Espanha) e Especialista em Inteligência e Segurança Internacional pela Universidade de Alicante (Espanha). O palestrante é também o fundador do Instituto Brasileiro de Análise de Veracidade – IBRAV.

 

Durante a palestra, o especialista falou de temas como objetivo e atribuições de quem realiza entrevista investigativa, que compreende um conjunto de técnicas que permitem auxiliar no processo de recuperação de informações. “Desta forma o servidor, que já atua na área, consegue aplicar técnicas que podem auxiliar em seu trabalho. Algumas entrevistas são realizadas muito tempo depois do fato”.

 

Para o subtenente do Corpo de Bombeiros, Emerson Freitas, as técnicas do curso poderão ser aplicadas na rotina de trabalho na controladoria do órgão. “Nos deparamos com prisões em flagrante em nosso setor, portanto, poderemos aplicar as técnicas apresentadas”.

 

Já para a agente de polícia, Loriene Fernandes, as informações poderão ser aplicadas inclusive na vida pessoal. “Já acompanho o professor há um tempo e este curso vem complementar o que fazemos diariamente. Mas as técnicas podem ser aplicadas também em nossa vida pessoal, de forma que nos permite avaliar se uma pessoa está ou não dizendo a verdade”.

 

Os servidores interessados no tema, que não conseguiram participar nesta edição, poderão se inscrever no próximo curso, previsto para novembro.

 

Edição: Nicole Vasconcelos

Foto: Flávio Alves