Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
12/01/20 Ă s 16h36 - Atualizado em 12/01/20 Ă s 16h52

📈DF registra o menor índice de homicídio em 35 anos

COMPARTILHAR

JoĂŁo Roberto, da Ascom – SSP/DF

 

O esforço conjunto das forças de segurança para reduzir a criminalidade no Distrito Federal superou as metas estabelecidas para 2019. Levantamento realizado pela Secretaria de Segurança PĂșblica (SSP) mostra que, no ano passado, foram registrados 13 homicĂ­dios por 100 mil habitantes, Ă­ndice mais baixo no DF desde 1985, quando o resultado foi 13,9/100 mil.

 

 

O uso dessa taxa Ă© uma metodologia internacional para aferir o nĂ­vel de violĂȘncia de determinado lugar, relacionando o nĂșmero da criminalidade com a população.  Quando analisado o nĂșmero absoluto de vĂ­timas de homicĂ­dios, em 2019, o DF atingiu o menor nĂșmero de mortes por esse tipo de crime em 25 anos.

 

Em 1995, foram 479 vĂ­timas; no ano passado, mesmo com o aumento da população, foram registrados 415 casos. De acordo com o secretĂĄrio de Segurança PĂșblica, delegado Anderson Torres, a redução Ă© resultado do trabalho de inteligĂȘncia, cruzamento de dados, integração entre as forças e planejamento tĂĄtico.

 

Patamar histórico

“Conseguimos o feito histĂłrico de baixar os Ă­ndices de vĂ­timas de homicĂ­dios para o menor patamar dos Ășltimos 25 anos”, comemora o secretĂĄrio de Segurança PĂșblica, delegado Anderson Torres. “Iniciamos o ano com a meta de reduzir esse crime em 4% e fechamos 2019 com uma redução em nĂșmeros absolutos de 11,4%. Isso sĂł foi possĂ­vel devido ao fato de o governador Ibaneis Rocha nos ter dado total autonomia de trabalho.”

 

 

Em 2019, o governo do DF reabriu delegacias, nomeou novos policiais militares e civis e agentes penitenciĂĄrios, regulamentou o serviço voluntĂĄrio das forças de segurança e aumentou a frota de viaturas operacionais, entre outras açÔes. “Estamos certos de que, em 2020, vamos continuar nos empenhando para melhorar as condiçÔes dos profissionais de segurança pĂșblica e, consequentemente, a segurança da população”, destaca o secretĂĄrio.

 

Metas e resultado

Uma das medidas estratégicas implementadas pela SSP para conter a criminalidade foi, desde o início do ano passado, a estipulação de metas e a cobrança de resultados até o ano de 2022. Em 2019, o objetivo era fechar o ano com a taxa de 13,4 mortes para cada 100 mil habitantes. Porém, a taxa foi ainda menor: 13/100 mil, valor que jå estå muito próximo da meta para 2020, que é de 12,9/100 mil.

 

Vidas preservadas

O nĂșmero de vĂ­timas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) obteve redução de 11,4% no ano passado em relação a 2018, de 500 para 443 casos. Com isso, 57 vidas foram preservadas no perĂ­odo, em todo o DF. Os CVLIs reĂșnem homicĂ­dio, feminicĂ­dio, latrocĂ­nio e lesĂŁo corporal seguida de morte. Houve tambĂ©m queda no crime de latrocĂ­nio – quando o motivo do homicĂ­dio Ă© o roubo –, de 33 para 24 no comparativo anual.

 

“Em 2019, realizamos diversas operaçÔes contra grupos criminosos”, relata o diretor-geral da PolĂ­cia Civil do DF, delegado Robson CĂąndido. “Iniciamos com uma grande ação para desarticular uma facção criminosa que tenta, sem sucesso, se instalar no DF. A sociedade pode estar segura de que a PolĂ­cia Civil estarĂĄ cada vez mais empenhada no combate ao crime no DF.”

 

O trabalho do Corpo de Bombeiros e do Departamento de TrĂąnsito do Distrito Federal (Detran) tem sido muito importante na preservação de vidas no DF. De janeiro a dezembro do ano passado, os bombeiros atuaram em 37,5 mil ocorrĂȘncias de emergĂȘncia mĂ©dica e 30,8 mil de acidentes de trĂąnsito. JĂĄ o Detran tem se empenhado para reduzir as vĂ­timas de acidentes fatais no DF, sobretudo nas fiscalizaçÔes da lei seca.

 

Desafio para 2020

O combate ao feminicĂ­dio Ă© uma das principais pautas da SSP. As caracterĂ­sticas desse crime tĂȘm sido estudadas detalhadamente pela CĂąmara TĂ©cnica de Monitoramento de HomicĂ­dio e FeminicĂ­dio (CTMHF) da SSP/DF, que analisa caso a caso, na sua integridade, buscando elementos que contribuam com a prevenção ao delito.  Ano passado, o nĂșmero de vĂ­timas desse crime aumentou 17,9% em comparação a 2018, de 28 para 33 casos.

 

De acordo com Anderson Torres, quando a segurança pĂșblica toma conhecimento dos casos, o crime jĂĄ estĂĄ consumado; sĂł depois chega a informação do histĂłrico de agressĂ”es. “Precisamos conscientizar as pessoas de que a denĂșncia nos ajudarĂĄ, e muito, a evitar futuras ocorrĂȘncias; sem ela, a violĂȘncia domĂ©stica acaba se tornando feminicĂ­dio, que Ă© um crime de difĂ­cil prevenção e fĂĄcil elucidação”, adverte.

 

Como parte da estratĂ©gia de enfrentamento, a SSP/DF lançou em março do ano passado a campanha #MetaaColher. O projeto busca expor o papel de responsabilidade de cada cidadĂŁo como engrenagem importante na cruzada contra o feminicĂ­dio. Com o slogan “A melhor arma contra o feminicĂ­dio Ă© a colher”, o movimento se pauta em estatĂ­sticas. Uma delas constatou à Ă©poca que cerca de 80% dos feminicĂ­dios do DF aconteceram dentro de casa, em contexto de violĂȘncia no ambiente familiar.

 

Redução de estupros, roubos e furtos

Ainda em 2019, os estupros no DF caĂ­ram 8,1%. Em 2018, foram 725 casos, sendo 440 contra vulnerĂĄvel (60,7%). Este ano foram 666 casos, 390 contra vulnerĂĄvel (59,5%). Cabe destacar que cerca de 80% dos casos de estupro de vulnerĂĄvel acontecem no interior das residĂȘncias das prĂłprias vĂ­timas.

 

Quanto aos Crimes Contra o PatrimĂŽnio (CCPs), monitorados de forma prioritĂĄria pela SSP/DF, tambĂ©m houve queda de 12,1% no comparativo 2018/2019. Essa redução representa 6.252 roubos e furtos a menos no DF. Dos crimes analisados, o roubo a comĂ©rcio foi o que mais caiu, 23,2%, de 1.778 para 1.365, com 413 ocorrĂȘncias a menos.

 

O roubo em residĂȘncia obteve redução de 17,3%, na comparação do ano passado com 2018: de 597 para 494 ocorrĂȘncias em todo o DF, 103 casos a menos. No roubo em transporte coletivo, houve 3,1% de redução no mesmo perĂ­odo. O furto em veĂ­culo e os roubos de veĂ­culo e a pedestre caĂ­ram 12,2%, 14,2% e 11,6%, respectivamente.

 

Para o comandante-geral da PolĂ­cia Militar do DF, coronel Julian Pontes, a prevenção aos crimes contra o patrimĂŽnio se faz com a presença ostensiva das forças policiais. “Mesmo com a defasagem de efetivo, que estamos, aos poucos repondo, temos utilizado as anĂĄlises criminais e o planejamento como forma de otimizar nosso trabalho e reduzir a incidĂȘncia de crimes”, pontua. Pontes lembra ainda que, em 2020, com o ingresso de 718 novos policiais, a capacidade operacional da corporação serĂĄ ainda maior.

 

Edição: AntÎnio Lorenzo